1. É o exame da anatomia do olho utilizando-se o ultra-som.
  2. Utiliza a sonda de ultra-som de 10 MHz para permitir a obtenção de imagem de estruturas do bulbo ocular.
  3. O método é indolor, sendo necessário o contato da sonda com as pálpebras ou as córneas.através de um gel condutor.
  4. É um exame fundamental quando o exame do fundo de olho é dificultado por opacidades da córnea, cristalino ou vítreo (por exemplo cataratas avançadas, hemorragias vítreas, etc).
  5. A ultra-sonografia pode avaliar o diâmetro do bulbo ocular e das estruturas intra-oculares, e permite descartar casos de atrofia do globo ocular, e diagnosticar malformações oculares (como por exemplo: anoftalmia, coloboma, microftalmia, persistência do vítreo primário hiperplástico).
  6. Em crianças que não permitem execução confiável do exame de biometria, e em casos em que a biometria ultra-sônica é impossível o ultra-som no modo A permite a medição aproximada para a realização do cálculo biométrico.

INDICAÇÕES:

É útil para a avaliação do quadro anatômico do vítreo, da retina, da coróide e da parede ocular, principalmente em casos em que o exame de fundo de olho é impedido ou inconclusivo, como em casos de opacidades de meios (catarata, opacidade (com hemorragia) vítrea, cicatriz de córnea, aderências da pupila que não permitem dilatação) inflamações, descolamento de retina).
É essencial no estudo de várias outras doenças oculares como tumores, doenças da coróide, esclera e órbita.
É o principal exame para estudar alterações do humor vítreo.
Avaliação pré-operatória e se necessário pós operatório de cirurgias de catarata, transplante de córnea, retina e vítreo, glaucoma e infecções intra-oculares para avaliar prognóstico visual e para orientar técnica cirúrgica a ser utilizada.
Indicado após traumatismos oculares, para se avaliar quais as estruturas envolvidas no trauma e o dano causado, além de se localizar a presença de corpos estranhos intra-oculares ou orbitários.
Indicado para avaliação de lesões que se queira dimensionar, mesmo que visíveis ao exame de fundo de olho: tumores ou cistos intra-oculares, roturas de retina e aderências vítreo-retinianas.
Na suspeita lesão sólida (tumores benignos ou malignos) para diferenciação tecidual e para dimensionamento com objetivo de acompanhamento em caso de crescimento ou regressão após tratamento específico.
Solicita-se ultra-som da órbita em casos de doenças de órbita, como tumores, inflamações, exoftalmopatia endócrina tireoidiana, hemorragia ou abscesso orbitário, alteração de saco lacrimal. Avalia a musculatura extrínseca ocular, a gordura retrobulbar, alterações do nervo óptico e veias retro-bulbares da órbita (ex: varizes, dilatações e aneurismáticas).

RECOMENDAÇÕES:

  • Não necessita de preparo prévio do paciente;
  • Não suspender medicamentos e/ou colírios em uso;
  • Pode ser realizado em crianças, bebês recém-nascidos sem contra-indicação. Entretanto, na falta de colaboração há necessidade de se restringir os movimentos;
  • Normalmente faz-se contato da sonda sobre as pálpebras fechadas e utilização de um gel condutor;
  • Cooperação com fixação sem mover os olhos e olhar na direção solicitada são importante, auxiliam na varredura de todos meridianos;

EQUIPAMENTOS:

Ultra-som ocular (Ultrascan Imaging System – Alcon)

CMBR
HOBR
DAY
hospital_olhorodape_15
BEIRARIO
GASTROS