• Como um infarto no coração ou um AVC no cérebro (acidente vascular cerebral) a retina também está sujeita a problemas vasculares.
  • Quando ocorre uma oclusão vascular o tecido retiniano sofre uma isquemia que causa importante perda visual.
  • Ocorre geralmente devido à formação de trombos que causam obstrução ao fluxo sanguíneo, gerando hemorragia cuja extensão é diretamente proporcional à dimensão da veia obstruída.
  • Manifesta-se por perda visual súbita e seu tratamento costuma ser expectante até que a hemorragia seja reabsorvida.
  • Ocorre mais frequentemente em pessoas com problemas da coagulação, glaucoma, diabetes mellitus, sendo mais comum entre os pacientes hipertensos.
  • Ela pode afetar a visão de quatro formas: edema de mácula, isquemia macular, hemorragia vítrea e descolamento de retina.
  • Na sua forma isquêmica, o prognóstico é mais reservado.
  • Um dos exames mais importante é o OCT (Tomografia de Coerência Óptica) que deve ser realizado em todos os pacientes com oclusão venosa.
  • A angiografia ajuda na avaliação do edema e da isquemia macular.
  • Deve ser acompanhada para identificação de possíveis áreas de isquemia que incita o risco de neovascularização e o surgimento de glaucoma (cerca de 90 dias após o episódio inicial) e ou hemorragia vítrea. Alem do edema macular, muitas vezes, intenso baixando muito a visão central.
  • Nestes casos, institui-se o tratamento a laser e terapia com injeção intra-ocular de anti-angiogênicos (Lucentis ou Avastin).
  • Controle clínico dos fatores de risco, com o glaucoma e a hipertensão arterial.